Preguiça de amar

O tique-taque do relógio não para de martelar entre os dias. A correria da vida não dá treguá.
A vida exige tanto em tudo, que na hora de ver o que é realmente importante a preguiça vem e atrapalha os planos, os sonhos…

Hoje são tantos “portantos” que tenho preguiça de amar, de correr atrás, de desejar.
Tenho preguiça de iniciar e continuar. De esperar.De procurar.

Os romances tem sido constantes ois e tchaus em uma sequencia infinita.
E os lábios não prendem mais a atenção como antes e as noites frias passam a ser a melhor companhia.
O sonho de amar já não é grande e a adrenalina do primeiro encontro não existe mais.

O coração não aquieta, o interesse se desfaz e a vida segue.
Vida essa que nem é vida se não existir o amor.

Deixe uma resposta